VÍDEOS

POLO 40 ANOS - VÍDEO COMEMORATIVO

POLO 40 ANOS - COFIC - VT 11
Mauro Guimarães, Superintendente do COFIC

POLO 40 ANOS - COFIC - VT 10
Luis Mario, Diretor Presidente. Cetrel

POLO 40 ANOS - COFIC - VT 09
Jussara Márcia, Pref. de Dias D'avila

POLO 40 ANOS - COFIC - VT 08
Antonio Elinaldo, Pref. de Camaçari

POLO 40 ANOS - COFIC - VT 07
Leone Andrade, Diretor do CIMATEC

POLO 40 ANOS - COFIC - VT 06
Marcelo Cerqueira, Presidente do COFIC

POLO 40 ANOS – CONSELHO COMUNITÁRIO E NUDEC - VT 05
Marco Antônio Nogueira e Kharis Lane dos Santos

POLO 40 ANOS - FIEB - VT 04
Armando Neto, Superintendente SESI, e Evandro Mazo, Superintendente IEL

POLO 40 ANOS - FIEB - VT 03
Sérgio Vilalva, Sec. Desenv. Econômico Camaçari, e Breno Costa, Promoção de Investimento Dias D’ávila

POLO 40 ANOS - FIEB - VT 02
Roberto Fiamenghi, Presidente do SINPEQ, e Marconi Andraos, Presidente do PROCIA

POLO 40 ANOS - FIEB - VT 01
TUDE, Vice-Prefeito de Camaçari

POLO 40 ANOS - VÍDEO COMEMORATIVO

icon radio

Qual a importância do Polo Industrial de Camaçari?

Para marcar o aniversário de 40 anos de implantação do Polo, fomos ouvir a opinião de representantes de diversos segmentos da sociedade. Clique e ouça os programetes com os depoimentos.
Ricardo Alban,
Presidente da FIEB
[ Ouvir depoimento ]

Mauro Guimarães,
Superintendente do Cofic
[ Ouvir depoimento ]

Roberto Castro,
Gerente Geral da Ford
[ Ouvir depoimento ]

Jerônimo Couto,
Secretário do Meio Ambiente de Dias D’ávila
[ Ouvir depoimento ]

José Luiz Almeida,
Diretor Geral Deten
[ Ouvir depoimento ]

Jorge Soto,
Diretor de Desenvolvimento Sustentável da Braskem
[ Ouvir depoimento ]

Edson de Paiva Alves,
Diretor de Operações da UNIGEL BAHIA
[ Ouvir depoimento ]

Marcelo Cerqueira,
Presidente do COFIC
[ Ouvir depoimento ]

Marco Antônio Nogueira e Kharis Lane dos Santos,
CONSELHO COMUNITÁRIO E NUDEC
[ Ouvir depoimento ]

Armando Neto,
Superintendente do SESI
[ Ouvir depoimento ]

Alvaro Oyama,
Diretor Executivo do Instituto Fábrica de Florestas
[ Ouvir depoimento ]

Luis Mario,
Diretor Presidente da Cetrel
[ Ouvir depoimento ]

Carlos Alfano,
Diretor Industrial da Braskem

[ Ouvir depoimento ]
Luiz França,
Diretor de RH KORDSA
[ Ouvir depoimento ]

Jackson Alan Lima,
Presidente da ACEC
[ Ouvir depoimento ]

Paulo Villa,
Diretor Executivo da Usuport
[ Ouvir depoimento ]

Evandro Mazo,
Superintendente do IEL
[ Ouvir depoimento ]

Francisco José Cardoso,
Gerente de RH do SEBRAE
[ Ouvir depoimento ]

Affonso Alves Filho,
Diretor do IFBA
[ Ouvir depoimento ]

DEPOIMENTOS

Demir Lourenço

"O Polo é um importante agente transformador da história da Bahia, contribuindo desde o início das suas atividades para o desenvolvimento econômico..."

Demir Lourenço
Diretor executivo do Tecon Salvador
Armando Neto

"Sem as empresas do Polo, não seria possível realizar os programas de responsabilidade social, de elevação da escolaridade e qualificação profissional..."

Armando Neto
Superintendente do Sesi Bahia
Tatiana Bittencourt Dumêt

"O Polo de Camaçari, de fato, teve e tem um papel fundamental para o desenvolvimento tecnológico e de formação de pessoal técnico qualificado em nosso estado..."

Lázaro Cunha
Diretor da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia
Tatiana Bittencourt Dumêt

"O Polo nasceu petroquímico e, 40 anos depois, é um conjunto maior e diversificado de segmentos industriais e de serviços..."

Paulo Villa
Diretor executivo da Associação dos Usuários dos Portos da Bahia (Usuport)
Tatiana Bittencourt Dumêt

"A contribuição do Polo de Camaçari para a pós-graduação da Escola Politécnica foi decisiva na criação, em 1987, do Mestrado em Engenharia Química, que foi o primeiro da escola..."

Tatiana Bittencourt Dumêt
Diretora da Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia
Luis Alberto Breda Mascarenhas

"O Polo Industrial de Camaçari é um grande demandante de profissionais em várias áreas e também de desenvolvimento tecnológico..."

Luis Alberto Breda Mascarenhas
Diretor Regional do Senai Bahia
Elinaldo Araújo

"O Polo elevou Camaçari de município agropastoril a uma potência industrial, inserindo-o numa das cadeias de mercado mais importantes do mundo..."

Elinaldo Araújo
Prefeito de Camaçari
Afonso alves Filho

"A absorção de mão de obra qualificada pelo Polo de Camaçari, desde sua construção, sempre trouxe benefícios, pois oferece condições de inserção no mercado de trabalho..."

Affonso Alves Filho
Diretor do IFBA/ Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia
Luis Mario Chavez

"O Polo Industrial de Camaçari já nasceu com algumas iniciativas de proteção ambiental. A existência da Cetrel é uma delas, o que demonstra ter havido uma preocupação..."

Luis Mario Chavez
Diretor-presidente da Cetrel
Alvaro Oyama

"As empresas do Polo, muito bem representadas pelo Cofic ao longo desses 40 anos, sempre tiveram uma politica socioambiental de melhoria contínua..."

Alvaro Oyama
Diretor executivo do Instituto Fábrica de Florestas
Jussara Marcia

"O Polo Industrial de Camaçari, por ter a sua localização limítrofe com o município de Dias d`Ávila, tem uma importância significativa..."

Jussara Márcia
Prefeita de Dias d’ Ávila
Roberto Fiamenghi

"O Polo de Camaçari é o maior conjunto de empresas químicas e petroquímicas da América Latina, sendo um importante fornecedor de matérias-primas para as indústrias automotiva..."

Roberto Fiamenghi
Presidente do Sindicato das Indústrias Químicas e Petroquímicas (SINPEQ)
Marconi Andraos

"Um dos principais desafios para manter o Polo de Camaçari competitivo é o aumento da sua produtividade associado à atualização e modernização de suas tecnologias de produção e administrativa..."

Marconi Andraos
Presidente do PROCIA
Roberto Rezende

"O segmento automotivo teve um papel relevante para alavancar o desenvolvimento da região no início dos anos 2000.  Embora o Polo já fosse uma área importante..."

Roberto Rezende
Presidente do Sindipeças
Sergio Vilalva

"Há 40 anos o Polo é fundamental para o desenvolvimento do município de Camaçari, não apenas pelo seu impacto na economia e na geração de empregos da cidade..."

Sérgio Vilalva
Secretário de Desenvolvimento Econômico de Camaçari

POLO DISCUTE COMPETITIVIDADE AO CELEBRAR 40 ANOS

Ao completar 40 anos de atividades, o Polo Industrial de Camaçari celebrou a data com uma ampla discussão sobre competitividade, diversificação e possibilidades de expansão do Complexo, reunindo convidados locais e nacionais na manhã do dia 5 de julho. O evento lotou o Teatro Cidade do Saber, em Camaçari, constituindo-se no ponto alto da programação elaborada pelo Comitê de Fomento Industrial de Camaçari (Cofic) para marcar as quatro décadas de atividades do Polo.

O Fórum “Desafios Competitivos do Polo de Camaçari” constou de diversas abordagens. As “Perspectivas do Segmento Petroquímico no Polo de Camaçari" foram apresentadas por Marcelo Cerqueira, vice-presidente da Braskem e presidente do Cofic. Coube ao diretor de Tecnologia e Inovação do Senai-Cimatec, Leone Peter, abordar o "Estudo da Cadeia Petroquímica na Bahia". O diretor da Ford, Alexandre Machado, falou sobre os "Desafios e Perspectivas do Segmento de Automotivo"; enquanto a "Infraestrutura, Logística e Competitividade" foi o tema da palestra do superintendente de Atração e de Desenvolvimento da Secretaria de Desenvolvimento Econômico da Bahia, Paulo Guimarães. O evento contou ainda com a presença de Marco Antonio de Marchi, presidente do Conselho Diretor da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), que abordou o papel das industrias químicas e petroquímicas para a grande vitalidade do Polo de Camaçari nesses seus 40 anos de atividades.

Alternativas econômicas 

Inicialmente, o superintendente do Cofic, Mauro Pereira, contextualizou a problemática atual do Polo de Camaçari e suas preocupações diante de um futuro de muitas incertezas econômicas: “A certeza que tenho é que os próximos 40 anos serão extremamente positivos para o Complexo”, assegurou, lembrando que desde sua implantação, em 1978, o Polo tem enfrentado com muita garra situações adversas, buscando alternativas para sua sobrevivência como centro gerador de produtos, serviços, emprego e renda.

O diretor do Senai-Cimatec, Leone Peter, abordou o estudo que vem sendo feito pela instituição, a pedido do Cofic, sobre a cadeia química-petroquímica na Bahia, com levantamento e análise dos principais pontos críticos e oportunidades nesse importante segmento industrial, além de sugestões de ações estruturantes para alavancar a competitividade do Polo. Segundo ele, o documento final com os seus resultados e principais recomendações será entregue até o mês de agosto, criando um novo referencial para a adoção de medidas que possam colaborar para uma maior competitividade do Complexo Industrial.

Mercado global 

Em sua palestra, Marcelo Cerqueira, vice-presidente da Braskem e presidente do Cofic, destacou as “boas perspectivas” que surgem para o Polo no mercado global, independentemente dos entraves econômicos. “Podemos olhar para o futuro e ver as oportunidades. O Polo segue o seu caminho enfrentando adversidades, mas com chances de crescimento, muito ajudado agora pelas novas tecnologias e práticas inovadoras”, disse. Cerqueira fez uma rápida retrospectiva histórica do Polo (“ que já nasceu como primeiro polo industrial planejado do país”) e enalteceu a atenção dada pelas indústrias que o integram à saúde e à segurança. “ Nessas duas áreas, o Polo se tornou referência”, observou, lembrando também os avanços conseguidos na formação de mão de obra e no descarte responsável de resíduos industriais. A programação foi encerrada com duas importantes conferências: “Desafios para a Competitividade da Indústria no Brasil”, por Flávio Castelo Branco, gerente executivo de Políticas Econômicas da Confederação Nacional da Industria (CNI); e “Crescimento Sustentável no Cenário Econômico Brasileiro”, por Gustavo Loyola, ex-presidente do Banco Central, “Economista do Ano” em 2014.


GALERIA DE FOTOS

Data: 05/07/2018
Local: Teatro da Cidade do Saber – Camaçari
Público: empresários, autoridades, instituições parceiras e imprensa

  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos
  • Polo 40 Anos


CALENDÁRIO DE ATIVIDADES

No dia 29 de junho de 2018 o Polo industrial de Camaçari completou 40 anos de atividades. É uma data que se reveste de singular importância, por tudo que o Polo representa de contribuição positiva para o desenvolvimento do Estado da Bahia, do Nordeste e do Brasil.

alvo

AGENDA COMEMORATIVA

  • FEV – Assinatura de Contrato Cofic/Senai-Cimatec para Estudo da Cadeia Química-Petroquímica na Bahia.
  • MAR – Lançamento da Agenda Comemorativa dos 40 Anos do Polo.
  • ABR – Aula Inaugural da UFBA em Camaçari (UFBA/Prefeitura de Camaçari).
  • MAI – Lançamento do Programa de Desenvolvimento de Fornecedores de Camaçari (Prefeitura de Camaçari/ Cofic/Instituto Euvaldo Lodi-IEL).
  • MAI – Palestras nas Escolas de Camaçari e Dias D´Ávila sobre Sustentabilidade (Cofic/ Instituto Fábrica de Florestas -IFF/ Prefeituras Municipais).
  • MAI – Polo de Oportunidades - COFIC/RANDSTAD/ABRH - Cinemark – Shopping Boulevard – Camaçari (29/05/2018 das 8:00 às 12:00h).
  • JUN – Entrega do Prêmio Polo de Segurança, Saúde e Meio Ambiente (SSMA).
  • JUN – Plantio Comunitário em Camaçari e Dias d´Ávila (Cofic/ Instituto Fábrica de Florestas -IFF/ Prefeituras Municipais/Conselho Comunitário/Núcleo de Defesa Comunitária – Nudec).
  • JUL – Evento Comemorativo dos 40 Anos do Polo, no Teatro da Cidade do Saber, em Camaçari (05/07/2018).
  • AGO – Atividades do Programa Construindo o Futuro nas Escolas de Camaçari e Dias D´Ávila (Cofic/Empresas do Polo/Secretarias Municipais de Educação).
  • SET – Inauguração da Escola Técnica do Senai (SENAI).
  • SET – Evento Polo de Cidadania (Cofic/Empresas do Polo/Sesi/Prefeituras Municipais/Outros parceiros).
  • OUT – Inaguração do Cimatec Industrial (SENAI-CIMATEC).
  • NOV – Evento Prêmio de Incentivo à Educação (Cofic/Secretarias Municipais de Educação).
alvo

OBJETIVOS PARA AS PRÓXIMAS DÉCADAS

Desde o início de suas atividades, em 29 de junho de 1978, o Polo Industrial de Camaçari cumpre um papel vital e transformador para o Estado da Bahia, contribuindo para o seu desenvolvimento econômico e social, através da geração de emprego, renda e de novas oportunidades de investimento.

Manter-se competitivo nos dias atuais e nas próximas décadas é o principal desafio do Polo Industrial de Camaçari, compartilhado pelas empresas que o integram. Representadas pelo Cofic, as empresas do Polo vêm trabalhando firme nessa direção, em conjunto com o Governo do Estado, com as prefeituras dos municípios vizinhos de Camaçari e Dias D´Ávila e com a Federação das Indústrias do Estado da Bahia, dentre outros parceiros importantes, por acreditarem que a integração operacional existente no Complexo Industrial é um modelo empresarial vencedor, que lhe confere um potencial inquestionável de atratividade para novos investimentos.

Qualidade e produtividade; qualificação profissional; investimentos em tecnologias limpas; segurança e proteção ao meio ambiente; parceria com universidades, instituições de pesquisa e com a comunidade; programas de responsabilidade social. São inciativas das empresas, do Cofic e de diversos parceiros públicos e privados que, aliados à capacidade e dedicação das pessoas que trabalham no Complexo Industrial, justificam a trajetória bem sucedida do Polo de Camaçari a ser mantida e ampliada nas próximas décadas.

HISTÓRICO DA IMPLANTAÇÃO DO POLO (CRONOLOGIA)

Desde o início de suas atividades, em 29 de junho de 1978, o Polo Industrial de Camaçari cumpre um papel vital e transformador para o Estado da Bahia, contribuindo para o seu desenvolvimento econômico e social, através da geração de emprego, renda e de novas oportunidades de investimento.

O Polo nasceu essencialmente petroquímico. Mas cresceu e se diversificou ao longo do tempo, transformando-se no maior Complexo Industrial Integrado do Hemisfério Sul. Hoje, abriga mais de 90 empresas, não só nas áreas química e petroquímica, mas também de diversos outros segmentos produtivos como automóveis, pneus, fertilizantes, metalurgia do cobre, têxtil, celulose, fármacos, bebidas, serviços e energia eólica.

exibir cronologia do polo
  • 1950
    Entrada em Operação da Refinaria Landulpho Alves, em Mataripe.

  • 1966
    Criação da Companhia Petroquímica do Nordeste/Copene, dando início à construção do Complexo Básico.

  • 1972
    Início da implantação do Polo Petroquímico de Camaçari.

  • 1975
    Inauguração do Porto de Aratu, estratégico para escoamento da produção do Polo.

  • 1978
    Início de Operação do Polo Petroquímico de Camaçari.

  • Década de 90
    - Ampliação da Refinaria Landulpho Alves e da Copene
    - Adensamento de cadeias produtivas do Polo, como reflexo da política de atração de novos investimentos.

  • 2001
    Implantação do segmento automotivo no Polo com o início de operação da Ford
    - Complexo passa a ser denominado Polo Industrial de Camaçari.

  • 2002
    Criação da Braskem.

  • 2006
    Inauguração da Fábrica de Pneus da Continental (a primeira fábrica do Grupo no Brasil).

  • 2007
    Inauguração fábrica de pneus da Bridgestone (a segunda fábrica do grupo no Brasil).

  • 2011
    Inicio de implantação do segmento eólico com a inauguração da Gamesa e Alston, as primeiras fábricas de Aerogeradores na Bahia.

  • 2013
    Início da implantação do Complexo Acrílico pela Basf.
    - Inauguração nova Unidade ITF Chemical (Fármacos).
    - Lançamento do novo Plano Diretor do Polo.

  • 2014
    Inauguração da Fábrica de Motores da Ford (a primeira no NE).

  • 2015
    Inauguração da nova fábrica da Basf (Complexo Acrílico).

  • 2018
    Estudo da Cadeia Química/Petroquímica na Bahia.

A base do sucesso do Complexo Industrial está em Camaçari e Dias D´Ávila, municípios que abrigam indústrias de ponta, com elevado padrão de desempenho operacional e gestão empresarial.

Roberto Fiamenghi

Presidente do Sindicato das Indústrias Químicas e Petroquímicas (SIMPEQ)

O Polo de Camaçari é o maior conjunto de empresas químicas e petroquímicas da América Latina, sendo um importante fornecedor de matérias-primas para as indústrias automotiva, refrigeração, alimentos, higiene e limpeza, produtos farmacêuticos, fertilizantes, tintas e vernizes, cosméticos, perfumaria, têxtil, eletroeletrônica, construção civil e outras mais. O segmento químico e petroquímico é, portanto, de grande importância para as indústrias locais e de todo o Brasil.

Os produtos químicos e seus derivados fazem parte do dia a dia das pessoas: estão presentes na embalagem dos alimentos, nos produtos de higiene, nos medicamentos, nos produtos de beleza, nos eletrodomésticos, nos vestuários, nos meios de locomoção, nos meios de comunicação, etc, contribuindo, assim, para melhorar a qualidade de vida das pessoas.

Os principais desafios para manter a indústria química competitiva no Polo de Camaçari são a atração de indústrias que utilizam suas matérias primas; a solução dos gargalos de infra estrutura logística, já que os portos que atendem o Polo estão sobrecarregados; e a necessidade de atualização tecnológica das unidades industriais, bem como de capacitação para desenvolvimento de novos produtos.

Marconi Andraos

Presidente do PROCIA

Um dos principais desafios para manter o Polo de Camaçari competitivo é o aumento da sua produtividade associado à atualização e modernização de suas tecnologias de produção e administrativa. Vale lembrar que a competitividade deve estar relacionada não só à produção como também à infraestrutura logística para fornecimento e distribuição dos insumos e matérias primas necessários ao Complexo Industrial.

O Polo Industrial de Camaçari (que foi criado como COPEC, em complemento ao Centro Industrial de Aratu), foi o maior “catalizador” da industrialização e, consequentemente, do desenvolvimento do Estado da Bahia. Hoje, o Polo é a grande “âncora” que sustenta e promove este desenvolvimento.

Roberto Rezende

Presidente do Sindipeças

O segmento automotivo teve um papel relevante para alavancar o desenvolvimento da região no início dos anos 2000.  Embora o Polo já fosse uma área importante sob o ponto de vista econômico para a Bahia e para Camaçari, especificamente, a implantação de um complexo industrial automotivo, com uma montadora e 35 novos fornecedores na região, sendo 26 instalados dentro do complexo, representou uma inovação mundial em conceito de indústria automotiva. Foram gerados na época, cerca de 8.500 novos empregos.

Dada a necessidade de uma mão de obra especializada, não existente na área, novos centros de educação se instalaram ou se desenvolveram ainda mais na Região Metropolitana de Salvador, com o fim específico de atender às necessidades do segmento. O Senai é um grande exemplo. Toda a mão de obra operacional utilizada no complexo foi oriunda de cursos de qualificação através dessa entidade. Hoje, o Senai Cimatec, além de fornecer serviços especializados às empresas do segmento automotivo, dentre outros, provê também mão de obra qualificada em todos os níveis.

Eu me arriscaria a dizer, inclusive, que houve também um crescimento significativo no Índice de Desenvolvimento Humano da região.  As exigências de qualidade do segmento automotivo estavam atreladas a um nível de escolaridade mais alto dos operadores envolvidos no processo produtivo e os rendimentos salariais para os colaboradores das empresas ligadas ao setor, principalmente aquelas alocadas dentro do complexo, também eram e continuam sendo superiores à média da região.

Diria que a vinda do segmento automotivo para a Bahia propiciou um desenvolvimento mais rápido para a região no entorno do Polo, envolvendo Lauro de Freitas, Simões Filho, Dias d’Ávila e Camaçari, além de outras localidades.  Logicamente Salvador também foi beneficiada. 

Nós estamos passando por uma crise e o segmento automotivo foi extremamente prejudicado. Os volumes de produção caíram muito nos últimos quatro anos, mas já começamos a ver um processo de recuperação. O que precisamos agora é ser competitivos para poder permanecer no mercado e, logicamente, crescer. O modelo de nosso segmento na região, outrora considerado inovador, já mostra sinais de necessidade de evolução. Nossos custos precisam ser reduzidos. Precisamos ser mais produtivos, de forma que possamos encarar os desafios não somente de nossos concorrentes instalados em outras regiões, mas também de produtos importados que chegam ao Brasil com preços incrivelmente competitivos. Isto exige criatividade. Precisamos aumentar nossa capacidade produtiva, reduzir custos e produzir com qualidade que atenda a requisitos comparáveis aos níveis internacionais.

Precisamos também criar atratividade para que novas empresas do segmento se instalem na região, o que propiciaria condições para que uma ou mais montadoras também se interessem por vir. Este processo passa por oferecer condições diferenciadas para empresas interessadas e investir ainda mais na qualificação de profissionais.  Educação gera possibilidades para ambos os lados –  população e empresas.

Considerando que o crescimento econômico do Estado da Bahia será impulsionado com o melhor desempenho dos setores automotivo e aeronáutico, foi  criado pela FIEB em Julho de 2016, através de uma Portaria, o Comitê das Cadeias Automotiva e Aeronáutica, com o propósito de integrar a atuação da FIEB a fim de contribuir com a melhoria da competitividade das industrias destes segmentos e discutir alternativas para adensamento destas cadeias na região.  Este comitê coordenado pela FIEB  conta com participação do Senai Cimatec, Cofic, órgãos do governo (SDE e SECTI), Sindipeças, Sindicato dos Metalúrgicos de Camaçari e Ford, além de algumas empresas já instaladas. O foco inicial tem sido criar atratividade para adensamento da cadeia de suprimentos na região, tendo como âncora a montadora Ford. Com isto, poderão ser criadas condições para que empresas aqui instaladas possam atender não somente à Ford, mas também outras montadoras que venham aqui se instalar.

Sérgio Vilalva

Secretário de Desenvolvimento Econômico de Camaçari

Há 40 anos o Polo é fundamental para o desenvolvimento do município de Camaçari, não apenas pelo seu impacto na economia e na geração de empregos da cidade, mas também pelas diversas ações próprias e parcerias com a Prefeitura Municipal nas áreas social, ambiental e cultural, nunca se eximindo das suas responsabilidades junto a Camaçari e seus habitantes.

Vale observar que a Secretaria de Desenvolvimento de Camaçari (Sedec) e o Cofic estão sempre trocando informações; realizamos praticamente reuniões quinzenais para identificar dentro da cadeia produtiva empresas que possam atender às demandas do Polo e identificar quais ainda não têm capacidade de atender a essas demandas, mas que têm potencial para isso. A partir daí, poderemos desenvolver programas de capacitação e desenvolvimento nas diversas áreas: jurídica, gestão, pessoal, certificações, etc.

Acreditamos que o Cofic está atento e atuante para as transformações que estão acontecendo no mundo e está se preparando para evoluir e ajudar Camaçari a evoluir junto. Para a Sedec, o Polo é um grande parceiro e esperamos continuar contando com ele para desenvolver a nossa cidade de uma maneira mais justa e sustentável, não apenas nas questões diretamente ligadas ao Complexo, mas também em outras questões vitais para o município. Afinal, um Polo forte é uma Camaçari forte, e uma Camaçari forte é um Polo forte também!

Jussara Márcia

Prefeita de Dias d’ Ávila

O Polo Industrial de Camaçari, por ter a sua localização limítrofe com o município de Dias d`Ávila, tem uma importância significativa no que se refere a proporcionar postos de trabalho aos nossos munícipes, como também à implantação de empresas periféricas de manutenção e serviços em Dias d`Ávila, a exemplo do nosso Polo de Apoio).

Nos últimos quatro anos temos aproximado a nossa administração das empresas do Polo, através do Cofic, objetivando estreitar nossas relações, buscando alternativas que permitam não só dividir o ônus pelo advento da implantação do Polo, como, também, compartilhar o bônus econômico e social.

O Polo precisa oportunizar os fornecedores de bens e serviços do nosso entorno, pois, nos dias de hoje ainda constatamos uma série de fornecimentos vinda de outros Estados, daí a estarmos discutindo um novo formato com os fornecedores locais orientados por especialistas no ramo para alcançarmos melhores resultados nesse viés.

Alvaro Oyama

Diretor executivo do Instituto Fábrica de Florestas

As empresas do Polo, muito bem representadas pelo Cofic ao longo desses 40 anos, sempre tiveram uma politica socioambiental de melhoria contínua. Observamos uma busca constante de todas as empresas pelos selos ambientais e sociais, bem como uma melhoria refletida no chão de fábrica, na implementação de equipamentos mais avançados e menos poluentes. As politicas institucionais de todas empresas também estão, a cada ano, buscando as melhores metodologias, seja na administração, seja no campo operacional.

Além disso, o Cofic foi um dos fundadores do IFF em 2005 e, de lá para cá, tem nos apoiado nas ações de educação ambiental, produção de mudas e reflorestamento, sobretudo no Anel Florestal do Polo e áreas internas e do entorno.

Todos anos promovemos nos dois meses que antecedem a Semana do Meio Ambiente ações de educação ambiental e plantio comunitário em mais de 20 escolas dos municípios de Camaçari e Dias d´Ávila, além de ações socioambientais com o Nudec e com as empresas, tais como cursos de combate a incêndios e medidas de proteção à fauna e flora. Atuamos ainda em mitigações e compensações das empresas com o Ministério Público e órgãos ambientais públicos em TACs - Termo de Ajustamento de Conduta, TCs -Termos de Compromissos, além de executarmos muitos PRADs - Plano de Recuperação de áreas degradadas. Muitas vezes atuamos como verdadeiros mediadores de conflitos em busca da melhor e mais pacífica solução de problemas socioambientais na região.

Praticamos a educação ambiental em sentido amplo, com nossos viveiros escolas e projetos de produção e plantio de mudas, levando a comunidade à noção de cidadania plena, agregando ainda valores inerentes a ecologia, tais como o respeito à vida, aos recursos hídricos ao clima, às diferenças culturais.

Luis Mario Chavez

Diretor-presidente da Cetrel

O Polo Industrial de Camaçari já nasceu com algumas iniciativas de proteção ambiental. A existência da Cetrel é uma delas, o que demonstra ter havido uma preocupação desde a sua origem com os corpos hídricos superficiais, pela implantação de um sistema centralizado de tratamento de efluentes, garantindo um elevado padrão de controle para o seu lançamento. Com a evolução das questões ambientais e da legislação, aos poucos o Polo desenvolveu um modelo de gestão ambiental que hoje serve de referência para outros centros industriais do país, evidenciando que o desenvolvimento econômico pode ser efetuado sem agredir o meio ambiente.

Além do Sistema de Tratamento de Efluentes já citado, que com a entrada em operação do Emissário Submarino em 1992 trouxe um grande benefício com a auto recuperação dos rios Capivara Pequeno e Jacuípe, tivemos as implantações do Programa de Monitoramento do Ar na área de influência do Polo, bem como a do Programa de Gerenciamento dos Recursos Hídricos, ambos com importantes serviços prestados ao meio ambiente e grande interface com as comunidades vizinhas.

Dispomos de um projeto de reuso de água, o Água Viva, com capacidade equivalente a uma cidade de 130 mil habitantes. Os sistemas de Tratamento Térmico de Resíduos realizam um trabalho importante, seja pela destruição de resíduos perigosos, através de incineração, como pelo reaproveitamento energético e substituição de matéria prima pelo co-processamento. Além disso, a Cetrel é uma das mantenedoras do IFF-Instituto Fábrica de Florestas, que realiza um importante trabalho de reflorestamento e proteção de nascentes, não apenas em Camaçari, como em outros locais do Brasil. Temos ainda um projeto social de Educação Ambiental desenvolvido no Parque Sauípe, que tem sensibilizado mais de cinco mil crianças e jovens por ano, visando ampliar a sua conscientização para as questões ambientais.

Vale ressaltar que as comunidades têm acesso online às condições ambientais do Polo através do site da Cetrel. Por outro lado, fazemos a destruição segura de resíduos perigosos, através de sistemas eficientes e monitorados, que atendem a restritos padrões de emissão, e promovemos o retorno de resíduos não perigosos ao ciclo produtivo, pelo aproveitamento energético e/ou substituição de matérias primas oriundas de recursos naturais. Por fim, contribuímos também para combater o aquecimento global promovendo o reflorestamento de áreas degradadas e proteção de nascentes e, principalmente, com a formação de uma nova geração, mais consciente e crítica em relação às questões ambientais, de forma a garantir o futuro sustentável do nosso planeta.

Affonso Alves Filho

Diretor do IFBA/ Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia

A absorção de mão de obra qualificada pelo Polo de Camaçari, desde sua construção, sempre trouxe benefícios, pois oferece condições de inserção no mercado de trabalho aos jovens em suas áreas de formação, sejam universitárias ou técnicas. A troca constante de informações entre a área acadêmica e industrial propicia uma constante atualização dos Projetos Pedagógicos de Cursos (PPC), em consonância com as novas tecnologias utilizadas pelas indústrias.

Quando o Governo Federal, através da Lei nº 11892, de 2008, transformou os Centros Federais de Educação Tecnológica - CEFETs em Institutos Federais – Ifs promoveu a expansão da educação profissional em todo o Brasil, estabelecendo a criação de cursos de Formação Inicial e Continuada (FIC) até a formação em nível de pós-graduação Stricto-Sensu (mestrado e doutorado), bem como a implantação da extensão e da pesquisa, formando assim o tripé Ensino x Pesquisa e Extensão.

Hoje, o Campus de Camaçari atua nas três áreas. Na área de ensino contamos com 800 alunos nos cursos regulares de Eletrotécnica e Informática em cursos integrado (diurno) e subsequente (noturno) e superior em Licenciatura em Matemática (noturno). Nos cursos FIC contamos com 400 alunos anuais. Para o segundo semestre de 2018 iniciaremos o curso superior em Informática (Bacharelado e Licenciatura). Infelizmente os Campi que foram implantados a partir de 2006 têm uma limitação de servidores, sendo o máximo de 70 docentes e 45 técnicos administrativos o que impede a diversificação e oferta de diversos cursos, especialmente as engenharias, visto que os docentes devem atuar no tripé acima descrito.

Elinaldo Araújo

Prefeito de Camaçari

O Polo elevou Camaçari de município agropastoril a uma potência industrial, inserindo-o numa das cadeias de mercado mais importantes do mundo. Ao longo desses 40 anos, o município se consolidou economicamente, atraiu inúmeras indústrias, desenvolveu sua logística e permitiu que se instalasse, nos anos 1990, a primeira montadora do Nordeste. Graças ao Polo, a geração de riquezas permitiu uma melhoria da qualidade de vida dos moradores do município, atraindo para Camaçari milhares pessoas em busca de oportunidades de emprego, gerando novas demandas para os gestores municipais.

A Prefeitura tem se empenhado em aumentar o diálogo entre o setor público e o privado, facilitando a instalação de novas empresas em Camaçari e fomentando a ampliação de serviços que possam atender às demandas das famílias de trabalhadores e empresários ligados ao Polo. Recentemente, lançamos o projeto Costa de Camaçari para, por um lado, atrair novos investimentos na área de turismo e mais visitantes à orla de 42 quilômetros do município, e, por outro, melhorar a prestação de serviços aos frequentadores das nossas praias paradisíacas, propiciando assim mais lazer para moradores e turistas.

Acreditamos que o desenvolvimento natural das cadeias produtivas do Polo, ampliando sua geração de renda com reflexos para o município, aliado às parcerias em projetos que melhorem a qualidade de vida para o camaçariense, deve continuar permeando a filosofia do complexo industrial, que transformou Camaçari na potência atual.

Luis Alberto Breda Mascarenhas

Diretor Regional do Senai Bahia

O Polo Industrial de Camaçari é um grande demandante de profissionais em várias áreas e também de desenvolvimento tecnológico. Para o Senai-BA, é sempre um desafio atender às diversas empresas do Polo, sejam da área de química, bebidas ou mesmo do segmento automotivo. O Senai se esforçou muito no desenvolvimento de competências por meio da formação de seu quadro de pessoal, laboratórios e sistemas para que pudesse estar em linha com o padrão tecnológico do Polo.

Sempre estivemos muito próximos das indústrias para promover um suporte adequado ao crescimento ou redirecionamento de suas ações. O suporte da formação de pessoal, seja no nível de qualificação profissional, técnico ou superior é uma prioridade para o Senai-BA e a construção desses currículos sempre se dá de forma compartilhada. O atendimento a uma nova demanda, ou criação de um novo curso acontece a partir da interação com os diversos atores, inclusive das indústrias, para que a construção atenda aos requisitos por elas estabelecidos.

O suporte à implantação de novos empreendimentos é uma marca do Senai-BA. Estivemos juntos em diversos momentos importantes do Polo. Apoiamos a formação de todo o pessoal para implantações de empresas como Monsanto, Ford, Bridgestone, Basf, dentre diversas outras. Só no caso da Ford, foram formados mais de 5 mil profissionais.

O Cetind é uma unidade que hoje tem o foco na formação de técnicos em várias áreas: Química, Petroquímica, Petróleo & Gás, Automação Industrial, Segurança, Logística e outras. Empreendemos diversos projetos no intuito de melhorar a performance das empresas, apoiando o avanço da produtividade pelo desenvolvimento de talentos. Trata-se de uma escola diferenciada e de grande relacionamento com o Polo. Estruturas impares como Plantas Piloto, Plataforma para Trabalho em Altura e Sonda de Perfuração são exemplos de laboratórios avançados que foram criados e são utilizados para o desenvolvimento de pessoal das empresas. Também desenvolvemos tecnologias educacionais que são utilizadas em atendimentos às empresas em diversos programas, como os de formação de segurança para atuação em ambiente industrial.

Tatiana Bittencourt Dumêt

Diretora da Escola Politécnica da Universidade Federal da Bahia

A contribuição do Polo de Camaçari para a pós-graduação da Escola Politécnica foi decisiva na criação, em 1987, do Mestrado em Engenharia Química, que foi o primeiro da escola, tendo dado o pontapé inicial para os nossos demais cursos stricto sensu. Desde então, tem havido diversas outras parcerias entre empresas do Polo e a UFBA, que vêm fomentando pesquisa e desenvolvimento tecnológico para ambos os setores.

Acredito que a interação entre indústria e academia, além de fortalecer a pesquisa e o desenvolvimento tecnológico, em especial, na Bahia, é fundamental tanto para a maior geração de pesquisas tecnológicas aplicadas, que geram, também, conhecimentos em ciência pura, como para a melhor formação dos nossos egressos, que têm a oportunidade de conhecer mais de perto a realidade na qual vão trabalhar e as demandas da sociedade. Essa parceria traz mais motivação aos alunos, uma vez que conseguem enxergar em que e como estarão aplicando os conhecimentos aprendidos na Universidade.

Vale lembrar que a proposta do novo Campus da UFBa em Camaçari, que está em fase de implantação imediata, contempla o primeiro ciclo com ingresso para o Bacharelado Interdisciplinar de Ciência e Tecnologia (BI C&T), que tem a previsão de durar três anos. Daqui a três anos, em 2021, começarão os cursos de engenharia com os egressos do BI C&T (essa, atualmente, é a única forma de entrada prevista). Hoje, estão aprovados os cursos de Engenharia de Energia, Engenharia Automotiva, Engenharia de Controle e Automação Industrial, Engenharia Petroquímica e Engenharia de Computação, que são, de certa forma, especificidades dos cursos de Engenharia Química, Engenharia Mecânica e Engenharia Elétrica. No momento, não há, contudo, a previsão de se oferecer essas formações mais amplas, mas há espaço para a discussão.

Paulo Villa

Diretor executivo da Associação dos Usuários dos Portos da Bahia (Usuport)

O Polo nasceu petroquímico e, 40 anos depois, é um conjunto maior e diversificado de segmentos industriais e de serviços. Isto aconteceu em razão de bom planejamento lógico, que deu uma infraestrutura capaz de atrair negócios. Sem dúvida, o Polo Industrial de Camaçari se tornou muito importante para a Bahia e o Brasil. 

O Polo é responsável por mais de 80% da movimentação do Porto de Aratu e mais de 60% do Porto de Salvador. O maior desafio é quanto a infraestrutura de transportes de cargas e de serviços desses dois portos, uma vez que os custos elevados retiram a competitividade do Polo, das empresas em geral e do próprio Estado da Bahia, uma vez que portos de outros estados estão se desenvolvendo.

O Porto de Aratu, especializado em cargas graneleiras de duas dezenas de grandes usuários, está com sua capacidade de movimentar cargas saturada há duas décadas. Para resolver isto, são necessárias licitações de arrendamentos de novos terminais e de áreas de armazenagem, de modo a atender as demandas pretérita e futura.

Já o Porto de Salvador, dedicado às cargas conteinerizadas, mais importante porque atende milhares de cargas e usuários, o problema é o monopólio não regulado de um limitado terminal, que impôs apenas um berço para os navios porta-contêiner de longo curso, há quase duas décadas também, tendo como efeito a redução drástica do número de serviços, linhas marítimas regulares, e do índice de conexão de Salvador com portos do mundo.

Aqui realçamos a importância de um eficiente porto conteinero. A Usuport propõe fazer de Salvador um porto de transbordo com dois grandes terminais de contêiner, capazes de receber os maiores navios do mundo e operar linhas diretas, utilizando o fabuloso potencial da Baía de Todos os Santos. Isto daria forte competitividade ao Polo de Camaçari, com efeitos de novos investimentos, criação de empregos e riqueza. Realmente, um efeito transformador.

Lázaro Cunha

Diretor da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia

O Polo de Camaçari, de fato, teve e tem um papel fundamental para o desenvolvimento tecnológico e de formação de pessoal técnico qualificado em nosso estado. A busca pela qualidade e competividade em relação a outros centros, ao longo de sua existência, têm ajudado a capacitar engenheiros, técnicos e demais segmentos em áreas estratégicas, posicionando a Bahia entre os estados detentores de “massa crítica” relevante para o ramo petroquímico no Brasil.

Além disso, não podemos deixar de destacar o histórico papel do Polo de Camaçari no desenvolvimento e na incorporação de novas tecnologias às cadeias produtivas baianas, seja em função de sua expansão ou pela diversificação de seu conjunto de produtos e serviços. O advento do complexo Ford é uma boa medida dessa ação indutora do Polo: o projeto Amazon da Ford inseriu a Bahia entre os espaços promotores de tecnologias inovadoras, de “classe mundial”, voltadas à indústria automotiva. 

A Fapesb tem um grande portfólio de projetos que foram apoiados em atenção às demandas das agendas de desenvolvimento do Estado da Bahia. Inclusive, de empresas do Polo. As bolsas de mestrado, doutorado, iniciação científica, de inovação tecnológica disponibilizadas por nosso Programa de Bolsas têm ajudado a formar quadros especializados nas mais variadas áreas.  Neste caso, vale destacar os recursos para a formação de pessoal nos campos da química, biotecnologia, fármacos e demais áreas com estreita relação com o negócio do Polo.

Outro componente importante das nossas ações é o Programa de Apoio à Pesquisa na Empresa, em que, por meio de subvenção econômica, microempresas e empresas de pequeno porte são estimuladas a desenvolver inovações (produtos, processos ou serviços) que podem ser empregadas em empreendimentos de seus clientes, a exemplo das grandes empresas existentes no Polo de Camaçari.

Em arremate, consideramos que, em seus 17 anos, a Fapesb, com suas ações de fomento, tem sido o principal catalisador do ecossistema de ciência, tecnologia e inovação na Bahia e, portanto, credencia-se como um elo fundamental para aproximação entre o ambiente empresarial, as universidades e centros de pesquisas para o desenvolvimento de inovações, com vistas à superação de gargalos tecnológicos das empresas (por meio de encomendas tecnológicas), ou mesmo através da ampliação da fronteira do conhecimento com o apoio a projetos das ciências básicas, que possam gerar oportunidades futuras para a geração de produtos inovadores.

Armando Neto

Superintendente do Sesi Bahia

Sem as empresas do Polo, não seria possível realizar os programas de responsabilidade social, de elevação da escolaridade e qualificação profissional desenvolvidos pelo Sesi na região de Camaçari. São projetos que envolvem comunidades inteiras ou grupos específicos e são financiados pelas empresas do Complexo Industrial. Com isso, conseguimos realizar ações de grande impacto nas comunidades envolvidas, transformando a vida do trabalhador da indústria e das pessoas em geral, por meio da educação, da prestação de serviços e estímulo à cidadania. A grande vantagem é que as empresas podem se dedicar aos seus negócios enquanto o Sesi cuida daquilo em que tem expertise.

Quando entidades do Sistema Fieb, como o Sesi, realizam projetos para as indústrias, isso acaba tendo um feito multiplicador com impacto sobre toda a comunidade que é direta ou indiretamente beneficiada por estas ações. Vale lembrar que temos estruturas do Sesi que também prestam serviços à sociedade, a exemplo da unidade que funciona na Casa do Trabalhador, em Camaçari, que oferece serviços de odontologia e saúde, acessíveis a todos.

Demir Lourenço

Diretor executivo do Tecon Salvador

O Polo é um importante agente transformador da história da Bahia, contribuindo desde o início das suas atividades para o desenvolvimento econômico e social dos baianos, gerando oportunidades de novos negócios e emprego. Ao longo desses 40 anos, acompanhamos a sua evolução, sendo, atualmente, a representação do que há de mais moderno e inovador no estado.

A cadeia produtiva do Polo Industrial de Camaçari tem uma alta representatividade nas movimentações feitas pelo Tecon Salvador, tanto no recebimento de cargas destinadas às empresas que ali atuam, como no escoamento de sua produção. Hoje, 31% do total das movimentações são de cargas do Polo (Importação x Exportação x Cabotagem). Esse é um casamento que vem dando certo há muitos anos. O Tecon Salvador tem colocado toda sua expertise à disposição das empresas, e isso gerou uma confiança da qual a gente se orgulha muito. 

Inovar e crescer está no DNA do Polo. Os estudos feitos pelo Cofic refletem análises importantes para as melhorias necessárias, e ,certamente, o Complexo continuará fomentando parcerias e unindo esforços para seguir investindo em tecnologia, aumentando a produtividade das unidades que já estão consolidadas, além de atrair novas empresas.